Robespierre: “O incorruptível”

IMG_4286
Maximilien François Marie Isidore de Robespierre (1758-1794) nasceu em Arras, capital do Artois, província de Flandres, na França, no dia 6 de maio de 1758. Sua mãe morreu ao dar a luz à filha Henriqueta. Ele tinha sete anos quando seu pai abandonou a casa. Foi criado pelos avós maternos. Aos 12 anos, por boas notas, recebeu uma bolsa para o Colégio Luís, o Grande, em Paris.

Em 1778 realizou o sonho de conhece o filósofo Rousseau, que morreria nesse mesmo ano.

Em 1781, depois de se formar em Direito voltou para sua cidade natal. Com a advocacia ganhava o suficiente para sustentar a pequena família. Como só defendia causas de gente humilde, continuava tão pobre quanto antes. Apesar de descendente de pequena burguesia, detestava o luxo da nobreza. Nessa época, a França vivia sob o regime absolutista do rei Luís XVI.

Em 1788, o rei, reconheceu sua falência econômica, pois a nobreza e o clero se recusavam a pagar pelo luxo da coroa e, resolve convocar as eleições para os Estados Gerais, que seriam representados pelos três estados: nobres, clero e comuns (povo). Em 26 de abril de 1789, Robespierre foi eleito deputado do Terceiro Estado pelo Artois. Em 17 de junho os deputados proclamam a Assembleia Nacional e Robespierre torna-se voz influente. A corte tramava uma maneira de liquidar a Assembleia.

 

No dia 14 de julho Paris estava em chamas, o povo tomava a Bastilha (ilustração acima), o massacre era geral. A Revolução Francesa estava instalada. Em outubro, o povo foi buscar o rei em Versalhes e o obrigou a residir em Paris. Os “amigos da Constituição” fundam um clube que ficou conhecido como Jacobinos – nome dos primeiros dominicanos instalados em Paris, e Robespierre torna-se o líder do clube. Começou uma longa e dura luta com os poderosos Girondinos. Em 1791 há uma cisão no partido Jacobino, Os moderados fundam o clube dos Feuillants e Robespierre torna-se líder dos radicais.

 

Placa localizada no centro da Place de la Concorde indica o local exato onde ficou instalada a Guilhotina durante a Revolução Francesa.

Em 1792 é deflagrada uma insurreição do povo e a monarquia é derrubada. Robespierre torna-se membro da Prefeitura (Comuna) insurrecional. No dia 21 de janeiro de 1793 o rei é executado e, os girondinos são derrubados. No dia 27 de julho desse mesmo ano, é eleito para o Comitê de Salvação Pública, com a finalidade de enfrentar a situação de uma guerra.

Em 1794, Robespierre mandou executar Georges Danton, o revolucionário que propunha um rumo mais moderado para a revolução. Neste mesmo ano, tornou-se Presidente da Convenção Nacional.

Robespierre não incentivou o Terror, mas apoiou os movimentos para livrar a revolução de seus inimigos.

IMG_4285

Ilustração retrata a execução de Robespierre.

Em julho de 1794, um golpe planejado pelos Girondinos para reconquistar o poder acaba com o Comitê e Robespierre e seus aliados são presos e condenados à guilhotina. Os aliados de Robespierre cometeram suicídio mas ele mesmo não conseguiu tirar a própria vida – ficando gravemente ferido com um tiro na mandíbula. Em seguida, foi levado à guilhotina.

Iniciava-se uma nova fase na revolução e muitas transformações começariam a acontecer com a repercussão mundo afora. Robespierre foi o último condenado a ser guilhotinado durante a Revolução.

Fonte:http://parissempreparis.com.br/quem-foi-robespierre-o-incorruptivel-lider-da-revolucao-francesa/

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s